As Tecnologias emergentes que estão a mudar a Sociedade

ISEG - Executive Education  / 30.01.2020

Manuel Mira Godinho - As Tecnologias Imergentes

Existem três grandes clusters de tecnologias emergentes que se encontram em fase de desenvolvimento avançado e que terão enormíssimas implicações nas próximas décadas, influenciando a sociedade, trabalho e vida humana.

As tecnologias energéticas, ambientais e de mobilidade

Face à aceleração da mudança climática que se está a verificar, há uma enorme pressão para diminuir a dependência da produção de energia a partir do carvão, do petróleo e do gás. O objetivo é reduzir as emissões de CO2 para a atmosfera, principal causa do efeito de estufa.

As chamadas energias renováveis têm vindo a cumprir este papel. A energia eólica e a energia solar fotovoltaica têm tido significativos ganhos de eficiência e a cada ano que passa tem sido possível obter eletricidade a partir destas fontes renováveis a custos cada vez mais baixos. De acordo com a Agência Internacional de Energia, 7% da eletricidade total produzida em 2018 veio já da energia eólica, solar e fotovoltaica, mas a previsão é que a correspondente quota cresça para 35% em 2040. Estas fontes “limpas” têm, porém, um problema, relacionado com a dificuldade de existirem períodos, mais ou menos prolongados, sem sol ou vento, determinando a necessidade de ter as centrais convencionais disponíveis para alimentar a rede elétrica nessas alturas.

Face aos desafios anteriormente mencionados, a grande alternativa que se encontra em fase de desenvolvimento é a capacidade de armazenar em baterias a eletricidade produzida pelas fontes renováveis, para ser colocada na rede nos períodos sem sol ou vento.

Em paralelo, no âmbito do cluster de tecnologias renováveis, estão-se a desenvolver tecnologias ambientais necessárias para conter as emissões de poluentes e para capturar o dióxido de carbono em excesso da atmosfera. Essas tecnologias já existem, mas são ainda muitíssimo ineficientes em termos de custos. Tal como no desenvolvimento das baterias, esta é uma outra área com enormes oportunidades de inovação e de negócio.

Finalmente, há o desenvolvimento de tecnologias de mobilidade com novas possibilidades e mais amigas do ambiente. A eletrificação do parque automóvel tem estado a progredir, a par do desenvolvimento dos modelos de negócio da “partilha”. A introdução massiva do hidrogénio como forma de propulsão tem também sido colocada em cima da mesa como uma hipótese realista. Novos tipos de veículos de transporte estão a surgir e neste cenário diferentes tipos de drones irão substituir o transporte por terra de coisas e pessoas.

Computação e Automação da Produção

O desenvolvimento das tecnologias de informação tem tido um carácter fortemente horizontal e faz sentir o seu impacto em todos os sectores de atividade económica e da vida humana. Com a digitalização em curso e com os avanços da inteligência artificial, novos saltos qualitativos são expectáveis. Há uma terminologia farta que cobre estes desenvolvimentos, merecendo destaque: blockchain, big data, analytics, negócios na nuvem, internet das coisas, robotização. Uma implicação destes últimos desenvolvimentos é a crescente automatização da produção e a dissociação de máquinas aprendentes dos humanos, que tradicionalmente as controlavam.

O cenário dramático que a este respeito tem sido traçado é o “fim do trabalho”, pelo menos tal como o conhecemos. Em paralelo com o avanço destas tecnologias, têm-se vindo a impor novos modelos de organização da atividade económica, incluindo as chamadas “empresas-plataforma”, oferecendo uma diversidade de novos produtos e serviços aos seus utilizadores. A adoção de metodologias agile na organização da produção tem também vindo a progredir rapidamente. As empresas que dominam o negócio da nuvem (Amazon, Microsoft, Alphabet, Facebook, Alibaba) estão a dar cartas e progressivamente a entrar em novos setores bem diferentes daqueles que estiveram na sua origem, inclusive o financeiro. Novos paradigmas de gestão irão naturalmente impor-se.

Biotecnologia

O terceiro grande cluster de tecnologias emergentes está a surgir na área da medicina e em ligação com as ciências da saúde. Durante o século XX a esperança de vida humana aumentou significativamente, a ponto de ser hoje possível afirmar que por cada dia que vivemos ganhamos, em média, 4 horas de vida adicional. O expectável seria que esta espantosa curva de progresso começasse a abrandar. Porém, pelo que sabemos, não é isto que está a acontecer. Na verdade, um conjunto de tecnologias e abordagens adotadas nos cuidados médicos continuam a elevar, cada vez mais, o limiar máximo admissível da vida humana, especulando-se com frequência sobre os caminhos para a imortalidade. A realidade é que a substituição e a implantação de órgãos produzidos artificialmente já está a ocorrer e, com as possibilidades abertas pela edição do código genético individual, reparando ADN “danificado”, abrem-se portas para eliminar patologias anteriormente sem tratamento. Este último aspeto está ligado a uma enorme alteração que se está a verificar nas tecnologias da saúde, com a passagem de um padrão de oferta de serviços indiferenciados (a aspirina que tomávamos era a mesma para todos), para uma forte individualização da medicina e tratamentos direcionados a alvos bem precisos. Esta personalização da medicina também é possível pela aplicação das tecnologias de computação e automação, com recolha sistemática de dados dos “pacientes” e seu processamento para a oferta de serviços “customizados”.

Conclusões

Naturalmente existem outras tecnologias muito relevantes que se vão afirmar nas próximas décadas e que não foram inventariadas nos três grupos mencionados anteriormente. Logo à partida, há que contar com todas aquelas tecnologias que ainda não foram inventadas e que poderão ter um impacto disruptivo, neste momento simplesmente não estimável. Mas também outras novas tecnologias, como a impressão 3D, as nanotecnologias na produção de novos materiais, ou as aplicações da biotecnologia à produção alimentar, vão indubitavelmente ter grandes consequências.

O sistema económico continuará a mudar rapidamente. A mudança tecnológica acelerada far-se-á a par de uma forte recomposição sectorial. A estrutura intra-sectorial irá igualmente mudar, com a emergência de novas empresas portadoras das inovações disruptivas. E novos gigantes económicos poderão surgir, tal como aconteceu com os GAFA nas últimas décadas. Na energia, no ambiente, na saúde, nos serviços na nuvem, vislumbram-se incontáveis oportunidades de negócio.

Da mesma forma, as sociedades humanas irão mudar, provavelmente mais ainda do que aconteceu nas últimas décadas. Os padrões demográficos vão continuar a adaptar-se rapidamente e iremos aprender a viver em “cidades inteligentes” (mesmo quando não residirmos em cidades). Os avanços da medicina, em conjunto com a mudança alimentar e de comportamentos irão produzir novos padrões de vida humana.

 

Manuel Mira Godinho

Vice-Presidente do ISEG, Universidade de Lisboa. Professor Catedrático de Economia do ISEG, Universidade de Lisboa. Coordenador da Pós-graduação em Estratégia, Inovação e Prospetiva do ISEG Executive Education.

Autor: ISEG - Executive Education

Quer saber mais?

Contacte-nos >
IDEFE | Executive Education
Campus do ISEG
Rua do Quelhas 6 - Piso 4, 1200-781 Lisboa
(+351) 213 922 891 | (+351) 213 922 789